04/10/2018 21h35 - Atualizado em 04/10/2018 21h35

Ex-assessor, porém, relata uma ameaça real

Por cerca de 20 anos, o agora candidato do PDT ao governo de Mato Grosso do Sul, Odilon de Oliveira, juiz federal aposentado, teve direito à escolta armada feita por agentes federais. Ex-assessor direto do magistrado, e ex-diretor de secretaria da Vara comandada pelo pedetista, Jedeão de Oliveira, afirma que muitas ameaças não eram, de fato, reais.

Numa entrevista exclusiva ao Jornal Midiamax, o ex-assessor de Odilon contou sobre detalhes que ele afirma que podem provar que as tais ameaças, seriam, aponta, forjadas para justificar a fama ‘de combatente’ do crime organizado. .

O primo de 5° e ex-assessor, também afirma que, o agora juiz aposentado, sempre alimentou a intenção de se tornar político, apesar de nunca ter verbalizado o desejo ao seu ex-subalterno.

Apesar das afirmações, Jedeão porém destaca pelo menos uma ameaça real a Odilon, feita no âmbito de uma investigação contra traficantes.

Cabeça a prêmio Por decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), Odilon perdeu o direito à proteção em tempo integral da Polícia Federal. À época, ele afirmou que iria recorrer da determinação, e chegou a afirmar que na época em que atuava na 3ª Vara Federal ‘sua cabeça’ chegou a valer US$ 1 milhão.

Pedetista chegou a afirmar que prêmio por sua cabeça chegou a ser de US$ 1 milhão (Foto: Marcos Ermínio) "Com ou sem segurança, vou continuar na política com maior motivação ainda. Temos que substituir pela firmeza e destemor a covardia de uns e a omissão de outros. Nem nos momentos de maior risco, que foram muitos, pensei em desistir. Só os frouxos ou covardes renunciam. Entrei para a política sabendo que encontraria tudo isto. Estava e continuo ciente de que enfrentaria, como venho enfrentando, o peso da máquina administrativa e outras agressões que virão, de fundo exclusivamente político. Resistirei a todas elas juntamente com o povo, que defendi, por anos, sem temor, e continuarei defendendo", afirmou Odilon.

O candidato do PDT também rebate as acusações de Jedeão, de quem é primo de 5º grau. Diz que o ex-assessor é alvo de ação penal, que apura desvios na 3ª Vara, e afirmar que todas as acusações são falsas.

Juiz Odilon frisa ainda que solicitou à PF abertura de inquérito para apurar as denúncias de seu primo, que teria, destaca, respondido com relatório no qual não foi encontrado indícios dos crimes citados por Jedeão.

 

Fonte: midiamax.com.br